domingo, 23 de janeiro de 2011

Educação brasileira: pegar ou largar?


Foi uma época emocionante  para os pré universitários de todo o país. Problemas nas provas do Exame Nacional do Ensino Médio - comumente chamado de ENEM, dificuldades no acesso so site do SiSU e várias tentativas frustradas para a anulação desse Sistema de Seleção Unificada. A educação do país nunca esteve em tamanho foco, se tratando de causar revolta.

Mas nossa arma foi a mídia - usamo-nos dela para relembrar aos governantes os direitos de estudante que possuímos: o de decência. Jovens de vários cantos do país usaram e abusaram de circuítos sociais online para expressar a angústia de ver nossa educação afundar a cada dia que passa, sem a atenção merecida que lhe era para ser dada. 

O futuro de várias pessoas dependendo de um site que simplismente não funcionava. Redações zeradas, provas mal elaboradas e gabaritos impressos de forma invertida. Os problemas foram solucionados, teoricamente. Mas a questão é: até quando estarão tentando consertar os problemas constantemente repetidos? O certo seria dar mais valor à educação do Brasil e propor uma solução definitiva para todos essas gafes, pois é lamentável ter que ver o filme se repetir mais uma vez.

Eu, como cidadã sem-nada, sinto-me no direito de expor minha opinião e pedir mais compaixão entre os seres habitantes dessa terra. E descência também, pois educação não é um gasto, e sim investimento que reflete ganho em todas as áreas, tanto econômicas quanto sociais. Há o egoísmo, infelizmente. A instrução faz enxergar o mundo e, consequentemente, tal injustiça, o que torna uma possível manipulação de massa mais complicada.

Pense bem se não está sendo enganado. Ou sendo egoísta com aqueles que possuem o mesmo direito que você têm. Cruzar os braços e aceitar tal desrespeito com a educação é a maior prova de conformismo e passividade que existe.

quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

No embalo do ano novo


Há quem diga que no ano novo muitas coisas se renovam, e alguns ainda arriscam em dizer que a mudança é completa. De que metamorfose os indivíduos tanto falam? Por que as tais mudanças não vieram no decorrer do ano?

Para mim é tudo apenas uma desculpa esfarrapada para a comodidade. Todos os dias são passíveis de tranformações, incluindo jogos de azar e instintos ligados no máximo. Deixar isso apenas para o último dia do ano é perca de tempo.

Eu tenho muito o que aprender, verdade. Mas não vou resumir essa necessidade em promessas que se tornarão obsoletas ou mudanças a curto prazo.

Nossa vida não tem prazo para tranforma-se. Nada acontece em um ano exato. São raras as coisas que contamos nos dedos ou temos a perfeita noção. Lembre-se que você está em vida, e nela é ela quem manda. Deixe as promessas mirabolantes de ano novo de lado e faça tudo acontecer no decorrer da sua existência. Trace metas para amanhã, para uma hora mais tarde ou no meio de abril. 

Não importa o mês ou ano, a existência são nossas experiencias independentemente do tempo marcado no calendário. E lembre-se que até este é pré estabelecido, até porque ninguém sabe quando começou ou o fim que o cosmos irá levar.

Em suma, a única coisa que troco a cada ano, em certeza, é o calendário. Faça o mesmo e feliz 2011!

quarta-feira, 29 de dezembro de 2010

Planos



Fim de ano, todo mundo faz um plano.
Mudar a cor da parede, mudar a cor do cabelo, emagrecer 10kg, casar, separar, ter filhos, comprar um cachorro, fazer diferente, perdoar o amigo, pedir perdão a Deus, arrumar um emprego, aprender algo novo, começar uma vida, recriar uma idéia.

Quanto tempo duram os nossos planos?

Uma semana, quem sabe.

Dia 1º, acordamos com sensação de vida nova. A sensação passa quando acabam as férias.

Como disse Rafaella no Milonga e Rock 'n' roll, depois "tudo se torna tédio, médio e irritante".

Mas esse ano vai ser diferente!

Eu me lembro de ter dito isso ano passado...

E afinal, 2010 foi. Diferente, único e especial. Nem todos os tópicos da minha "caderneta da virada" foram alcançados, mas de repente outros surgiram sem explicação e talvez fossem esses muito melhores que os anteriores.

Também, nem todos os sonhos são feitos para tornarem-se realidade. O que foi, foi bom, mesmo que não sendo.

2011, que venha, dessa vez sem planos gastando folhas e folhas na caderneta. Mas somente em uma linha, o plano digno de ser anotado:

SER FELIZ

Meio emo o post, mas báh, é dezembro e todo mundo fica emo.

Acabei.

segunda-feira, 1 de novembro de 2010

Ignorância à flor da pele


Ser matéria bruta, nesse mundo, está sendo cada vez mais difícil. Em vez disso, no lugar da verdadeira alma, cria-se uma carapaça para proteger esse interior frágil, que muitas vezes nunca é revelado. A essência está se perdendo em meio de tantos disfarces visivelmente fúteis e insignificantes. Até porque nada que é falso significa alguma coisa...

A atual geração está se tornando tornando inútil.

Deixam-se levar, seja pela mídia ou pelas pessoas que ditam moda. Há aquelas que divulgam sentimentos, religiões, perspectivas...coisas que as mentes preguiçosas não conseguem ditar para si mesmas. Acham mais cômodo abstrair um pensamento pronto e enlatado (com prazo de validade) do que construir uma opinião  rígida.

É óbvio que vários indivíduos preferem ficar dentro da carapaça. Existem aqueles outros que acreditam ser eles mesmos, mas constantemente se contradizem. Submetem-se a perguntas que visivelmente não querem responder, sendo algo que não são, mas respondem apenas para fingir ter algo na cabeça. Me desculpem, mas essa é a maior prova de falta de personalidade que já vi. 

Incluem-se à uma religião porque é moda. Leem a teoria, mas não incorporam na prática. Dizem-se fãs de uma banda, porém não aguentam nem ouvir o refrão das músicas. Usam "copia e cola" em páginas de história da web para debaterem em conversas frequentes, fingindo saberem de alguma coisa., só porque é descolado. Sabem apenas o nome completo de heróis históricos ou artistas lendários porque passaram uma noite decorando, enquanto tiravam a carapaça para lavar. 

Afinal, tem que estar limpinho para causar uma boa impressão. A imagem, infelizmente,é a alma do negócio.

Passo muito longe de ser perfeita, porém tenho orgulho de não ser hipócrita. Procuro fazer as coisas que realmente tenho vontade, gosto de ver as outras pessoas felizes, não tenho síndrome da superioridade. Cada um de nós tem uma matéria bruta que é, sem sombra de dúvidas, muito mais limpa e verdadeira do que essa carranca que é vestida toda vez que encontra-se em sociedade. A veracidade das coisas assusta. E se você não está assustado com a "realidade" que vemos, está na hora de tirar a carapaça.

27/06/10
Editado em 01/11/10

domingo, 25 de julho de 2010

Pode me chamar de Mr. Guns

video




Estamos vivos.

quinta-feira, 9 de julho de 2009

Michael Jackson...



Eita, eu acho que me atrasei...
Acho que o assunto já ficou cafona, e eu nem consegui pegar o gancho...
Mesmo assim, como a mídia ainda está falando nisso, vou aproveitando o espaço para dar meu (inútil) ponto de vista...

Francamente, antes de sua trágica morte, ninguém estava preocupado em elogiá-lo. Era apenas uma celebridade excêntrica (muito, por sinal), cheia de polêmicas (as quais a urubu-mídia adorava, afinal, dava audiência e dinheiro...). Agora só se ouve: o rei do pop para lá, o imortal para cá...

Báh... Cansei dessa falsidade disfarçada. Cansei de ligar a TV e ver as mesmas pessoas que há alguns meses nos enchiam de casos conturbados da vida de Michael e agora dizem chorar pela "perda desse gênio".

Não entendo como essas coisas são. Agora o proclamam inocente, mas antes ninguém achava que ele só poderia ser "uma eterna criança".

Incrível como as coisas são.

Incrível como a mídia se contradiz, o tempo todo.

Incrível como ainda acreditamos tanto nela...

sexta-feira, 8 de maio de 2009

Direitos do Homem e do Cidadão

Direitos do Homem? Direitos utópicos. Faz anos que foram escritos e assinados, contudo não são senão isso: um emaranhado de folhas jogadas num arquivo qualquer. Suas palavras idealizadoras parecem poesia. A beleza da escrita assimila-se à mais bela música, ao mais belo quadro. Todavia representam tão somente arte. Os ideais adormecem no obscuro pensamento do ser civilizado. São apenas a utopia de uma sociedade perfeita.

A igualdade resolveu dobrar a esquina, mudar de rumo. É corrompida pela ganância do dinheiro ( mas afinal não se pode criticá-la; a única coisa que não se dá para comprar com o dinheiro é o próprio dinheiro - e ainda tem-se dúvidas nessa afirmação). Pecado da parte dela, escolher um lado para apoiar. É como uma mãe escolher o filho predileto. Mas mesmo assim escolhe, pois é "corruptível", é fraca. Abusa da fé e das sombras alheias, camufla-se.

Enquanto sofro das mazelas da vida, restando-me apenas a desesperança na sociedade, aproveito, se você permitir, para abusar do último resquício de direito que me resta: a liberdade de expressão. Se fosse você faria o mesmo, pois daqui a uns dias, quem sabe, nosso único direito será o de permanecer calado.


...


E ainda me sobra esse fiapo de esperança...


domingo, 22 de março de 2009

Palavras soltas


Deu uma incrível vontade de escrever agora, apesar de eu não ter idéia do que falar...
Assim nasceram palavras soltas e idéias soltas. Não tenho palavras para expressar o que sinto mas saiba que algo eu sinto (sim, eu sou humana)...
Não há um pensamento coeso em minha mente. Para saber, penso agora desde "o cocô à bomba atômica"...

É vivendo que a gente aprende que cada coisa tem seu tempo. O meu tempo agora é maior que qualquer tempo. Mesmo assim parece curto, muito curto, mais curto que qualquer outro, e vejo como se tudo voasse e o fio da vida escorregasse entre os dedos. É o que sinto agora...
Acho que é a angústia que me doma que não está me permitindo pensar e ordenar as minhas idéias. Mas atualmente estou tentando não guardar os sentimentos, pois sabe, me descobri uma panela de pressão. E percebo firmemente que posso explodir a qualquer momento.
Estou tentando liberar a pressão... Se pudesse, liberaria toda ela, mas toda mesmo. Mas infelizmente não posso. (In)felizmente...

Realmente sinto a vida escorrer entre os dedos. E tenho medo, muito medo. Tenho medo pois não sei se vou ter medo. Não sei se quando o tempo escoar e eu finalmente olhar para trás, verdadeiramente não sei se vou ver algo que me agrade e me faça ter orgulho de minha vida. Tenho medo de não me orgulhar e mais ainda de não conseguir cumprir as minhas promessas...

E que promessas... Grandes promessas. Sabe, é uma coisa que eu realmente levo a sério. Penso infinitas vezes antes de falar, e muitas vezes acho que não pensei vezes suficientes.
E volto a falar e falar...

Tudo que eu mais quero agora é poder falar. Poder falar e ser livre para isso. Gosto disso aqui por conta disso. Posso falar livremente, mesmo que ninguém me ouça, mas ter um blog permite-lhe desabafar, e não precisa necessariamente que alguém responda, o mesmo sentimento de leveza que se dá ao desabafar com alguém me vem aqui.

Talvez eu não tenha ninguém mais para desabafar...

E não quero que minha vida corra solta, na verdade o que eu mais quero agora é NÃO DECEPCIONAR. E talvez alguém realmente entenda o que eu estou dizendo, talvez não. Mas isso não vêm ao caso, pois isso dá muita história para esse simples post.

E vamos finalizar, porque minha cabeça está mais confusa do que no começo.

Obrigada por acompanhar minha loucura até o fim.